Início » Transexuais são proibidos de provas internacionais de natação

Transexuais são proibidos de provas internacionais de natação

0 comentário

Eles têm uma “vantagem de desempenho relativa sobre as mulheres biológicas”, conforme estabelecido pela Federação Internacional de Natação.

Três meses depois que um atleta transgênero ganhou o título da National Collegiate Athletic Association (NCAA), agora a organização internacional que supervisiona as competições de natação aprovou novas regras que proíbem homens biológicos de competir em torneios femininos se tiverem passado pela puberdade masculina.

A Federação Internacional de Natação, conhecida mundialmente como FINA , aprovou a nova política com 71,5% dos votos. Dessa forma, proibirá nadadoras como Lia Thomas de participar de competições internacionais – incluindo os Jogos Olímpicos – e de serem elegíveis para recordes mundiais.

Thomas, em março, tornou-se o primeiro transgênero a vencer um campeonato da NCAA com um desempenho dominante no estilo livre feminino de 500 jardas. Anteriormente, Thomas nadava como homem sem conseguir vencer nenhuma competição.

As novas regras da FINA proíbem atletas transgêneros de nadar em competições femininas se tiverem decidido mudar de gênero após os 12 anos . A FINA diz que trabalhará para estabelecer uma categoria “aberta” para nadadores transgêneros.

Atletas transgêneros em transição de homem para mulher só poderão competir nos torneios da FINA se “eles puderem demonstrar que não experimentaram nenhuma parte da puberdade masculina”, disse o diretor executivo da FINA, Brent Nowicki.

A FINA citou estudos que mostram que os machos têm uma “vantagem relativa de desempenho sobre as fêmeas biológicas” .

“Uma atleta feminina biológica não pode superar essa vantagem por meio de treinamento ou nutrição”, disse a FINA.

Michael Joyner, da Mayo Clinic, disse que atletas transgêneros que fazem a transição de homem para mulher mantêm sua vantagem mesmo depois de tomar supressores hormonais .

“A testosterona na puberdade masculina altera os determinantes fisiológicos do desempenho humano e explica as diferenças baseadas no sexo no desempenho humano que são claramente evidentes aos 12 anos”, disse Joyner. “Mesmo que a testosterona seja suprimida, seus efeitos de melhoria de desempenho permanecem.”

Cientificamente os homens têm melhor desempenho esportivo

Pesquisas realizadas por pesquisadores da Marquette University, Duke University e da Mayo Clinic encontraram uma diferença geral de cerca de 5% entre os melhores tempos de Thomas como mulher em comparação com seus melhores tempos competindo como homem.

Em comparação, homens biológicos que competem em competições de elite são 10 a 15% mais rápidos que mulheres biológicas em eventos curtos e 7 a 10% mais rápidos em eventos de longa distância , de acordo com o artigo.

Fonte: Filhos de Deus com referencia de Evangelho digital

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações