Início » Quase 40% dos adultos da Geração Z acreditam que Jesus pecou como todos diz pesquisa

Quase 40% dos adultos da Geração Z acreditam que Jesus pecou como todos diz pesquisa

0 comentário

Um novo estudo sugere que quase um em cada quatro adultos da Geração Z acredita que Jesus foi um homem que pecou como todos os outros, em vez do Filho de Deus encarnado da ortodoxia cristã.

Pesquisas conduzidas para a American Bible Society (ABS) e seu último relatório “State of the Bible 2022” descobriram que 38% das pessoas com idades entre 18 e 25 anos acreditam que “Jesus Cristo era humano e cometeu pecados, como outras pessoas”. 

O resultado está aproximadamente alinhado com a geração X (37%), millennials (35%) e baby boomers (35%), que também não parecem acreditar na doutrina bíblica de um Cristo sem pecado.

Americanos com 77 anos ou mais acreditavam que Jesus pecou em números estatisticamente mais baixos (26%), pois o grupo provou ser o “mais provável de ser usuários da Bíblia (58%) de qualquer geração”.

As descobertas foram detalhadas no capítulo 2 do relatório “State of the Bible” de 2022 divulgado este mês, apresentando dados compilados pela ABS em colaboração com a NORC da Universidade de Chicago.

Um total de 2.598 adultos norte-americanos foram entrevistados em janeiro online ou por telefone em todos os 50 estados e no Distrito de Columbia. O estudo tem uma margem de erro de ±2,51%. 

A pesquisa descobriu que 18% de todas as idades que estão engajadas na Bíblia acreditavam que Jesus era um pecador.

Pesquisadores com ABS definiram o engajamento bíblico como “interação consistente com a Bíblia que molda as escolhas de uma pessoa e transforma seus relacionamentos com Deus, consigo mesmo e com os outros”.

Entre os entrevistados considerados parte do “Médio Móvel” – aqueles considerados amigáveis ​​à Bíblia e neutros à Bíblia – pouco mais de um terço disse acreditar que Jesus havia pecado durante Sua vida na Terra. Aqueles categorizados como “Bíblia Desengajados” constituíram a maior parcela dos entrevistados que disseram que Jesus era um pecador em 43%. 

John Plake, diretor de inteligência ministerial da ABS e editor-chefe da série “State of the Bible”, disse ao The Christian Post que esse tipo de confusão secular sobre a teologia cristã é uma oportunidade de compartilhar com o mundo.

“Ouço estatísticas [como essas] e estou menos preocupado com as suposições nacionais ou geracionais sobre a natureza dual de Jesus ou escolho seu ponto particular de doutrina aqui”, disse Plake. “Estou mais preocupado que apontemos as pessoas para a Palavra de Deus.

“Nós os levamos até lá, eles encontrarão sabedoria, encontrarão esperança para suas lutas e, se pudermos ajudar as pessoas a se conectarem profundamente com a Bíblia, os desafios doutrinários serão resolvidos”.

Ele acrescentou que a cultura secular levantou questões cruciais para a Igreja responder sobre a divindade de Cristo e outras questões doutrinárias desde o primeiro século.

“A cultura tenta dobrar a doutrina para se adequar às suas próprias categorias e estruturas, e tem sido assim desde o livro de Atos”, disse Plake. “Não é novidade para a América. Não é novidade para o século 21.

“De certa forma, todas as culturas do mundo são contra Cristo.”

A negação da divindade de Cristo foi mais notavelmente abordada no Concílio de Nicéia em 325 d.C., quando o Credo Niceno foi codificado em resposta ao surgimento do arianismo, que afirmava que Jesus era meramente humano e não o “Deus-Homem” das Escrituras.

Embora os dados coletados na pesquisa não tenham feito distinção entre entrevistados cristãos e não cristãos, as descobertas sugeriram que a grande maioria estava pelo menos aberta a considerar as reivindicações da Bíblia.

Quando se trata de curiosidade sobre Jesus e/ou a Bíblia, cerca de 75% dos membros da geração Z disseram que eram pelo menos “um pouco curiosos, com 21% dizendo que eram “muito curiosos” e 31% dizendo que eram “extremamente curiosos”. 

Essa curiosidade aumentou apesar de uma queda sem precedentes no envolvimento com a Bíblia durante a pandemia do COVID-19, que Plake diz estar principalmente ligada a dois grupos.

“Acho que há um grande grupo de pessoas que tem curiosidade. Eles simplesmente não sabem por onde começar”, disse ele. “O outro grupo que é meio interessante é o dos americanos mais engajados na Bíblia.

“Para eles, eles sabem como encontrar o que estão procurando na Bíblia, mas onde eles foram desafiados é como viver uma fé bíblica através do serviço aos outros e adoração com os outros”.

Plake acrescentou que grande parte da queda no engajamento bíblico resultou de pressões sociais ligadas à pandemia.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações