Início » Mulher é esfaqueada pelo marido por se converter ao cristianismo na Uganda

Mulher é esfaqueada pelo marido por se converter ao cristianismo na Uganda

0 comentário

Uma mãe de dois filhos de 26 anos no leste de Uganda está se recuperando de ferimentos profundos a faca depois que seu marido muçulmano a esfaqueou no domingo de Páscoa porque ela havia colocado sua fé em Cristo duas semanas antes.

Zaina Gimbo, que é da Ilha Sirinya B, na área do Lago Victoria, no distrito de Mayuge, sofreu ferimentos no rosto, cabeça e costas, e hematomas na mão, informou o Morning Star News .

A jovem mãe de um menino de 4 anos e uma filha de 5 anos, que secretamente colocaram sua fé em Jesus em 2 de abril, foi atacada depois que ela voltou de um culto de Páscoa em 17 de abril.

Carregando sua Bíblia, ela saiu para o serviço depois que seu marido, identificado como Jamiru Mwima, saiu para pescar. “Foi uma celebração maravilhosa. Por volta das 13h, fui para casa sem saber que ele havia voltado. Voltei com muita alegria, cantando músicas cristãs que aprendi na igreja”, disse Gimbo de sua cama de hospital.

Assim que ela chegou em casa, seu marido saiu “muito furioso”, disse Gimbo. Ele agarrou sua mão e fez muitas perguntas sobre sua fé, que ela não respondeu. “Meu marido me espancou e me cortou com uma faca longa. Fiz um alarme que trouxe muita gente que veio e o desarmou. Caí sangrando gravemente e perdi a consciência.”

Seus amigos então a levaram para um hospital onde ela ainda está se recuperando.

Gimbo aceitou a Cristo depois de interagir com uma empresária cristã a quem ela vendia peixes pescados por seu marido.

“Comecei a compartilhar Cristo com ela e, depois de uma semana, em 2 de abril, ela abraçou a fé cristã. Toda vez que ela trazia peixes, podíamos ter algumas horas compartilhando sobre o cristianismo”, disse a empresária.

Em um incidente separado no início deste mês, uma mulher muçulmana na vila de Nawanjofu, no distrito de Butaleja, adicionou veneno à comida de seu marido depois que ele se converteu ao cristianismo.

Hiire Sadiki, 56, um ex-professor islâmico, foi envenenado porque se recusou a observar os rituais islâmicos do Ramadã e sua esposa o notou orando em nome de Cristo.

Embora a maioria das pessoas em Uganda seja cristã, algumas regiões do país têm maiores concentrações de muçulmanos.

O Pew-Templeton Global Religious Futures Project estima que cerca de 11,5% da população de Uganda é muçulmana, principalmente sunita. Ataques armados e assassinatos de convertidos não são incomuns na região.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações