Início » Menina que foi proibida de entrar na escola, por ter mascara escrita “Jesus me Ama” vira inspiração para outras crianças

Menina que foi proibida de entrar na escola, por ter mascara escrita “Jesus me Ama” vira inspiração para outras crianças

0 comentário

Uma garotinha chamada Lydia Booth foi supostamente forçada por funcionários da escola do Mississippi a remover uma máscara com uma mensagem simples que dizia: “Jesus me ama”, mas as consequências desencadearam um desenvolvimento profundamente encorajador: mensagens positivas de outras crianças inspiradas pelo ousadia da menina

Uma criança decidiu ler a Bíblia inteira como resultado da história de Lydia – e outras estão expressando sua inspiração por meio de cartas e palavras gentis. 

Duas irmãs estavam entre as que escreveram para Lydia, informando-a de que estão orando por ela e que são inspiradas por sua história.

“Estamos orando por você “, escreveu uma das garotas em uma adorável nota manuscrita. “Nós te amamos.”

A outra irmã escreveu: “Estou tão feliz que Deus nos ama e enviou Seu filho para morrer por nós”.

Você pode ver as cartas abaixo (cortesia: Alliance Defending Freedom):

LydiaLetters-stmtimg-042221

A batalha legal em torno da situação de Lydia começou quando funcionários da escola no distrito escolar de Simpson County, no Mississippi, disseram a Booth que ela não podia usar máscara na escola.

Lydia esperava compartilhar o amor de Deus com seus colegas, de acordo com seus advogados na Alliance Defending Freedom .

“Isso me faz sentir como se estivesse protegida por Jesus, e me faz pensar que as pessoas vão pensar que é uma ótima máscara”, disse Lydia sobre sua máscara. “E que Jesus é um grande Deus e um grande Salvador.”

Mas os funcionários da escola viram a situação de forma bem diferente, supostamente dizendo a ela que ela tinha que usar uma máscara diferente e que máscaras com mensagens religiosas e políticas não são permitidas. 

Lydia teria sido informada de que ela seria disciplinada se continuasse a usar a máscara “Jesus me ama” .

Os advogados declararam que outros símbolos e movimentos estavam supostamente presentes nas máscaras de outras crianças na escola, e a família alega que o manual do distrito não exclui máscaras como a que Lydia usava.

Crédito da imagem em destaque: Alliance Defending Freedom

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações