Início » Mãe acusa o estado de impor ideologia de gênero e levar sua filha a cometer suicídio

Mãe acusa o estado de impor ideologia de gênero e levar sua filha a cometer suicídio

0 comentário

Uma mãe está se manifestando contra o sistema público de ensino do estado da Califórnia, nos Estados Unidos, acusando-o de lavagem cerebral de crianças sobre ideologia de gênero, com o objetivo de conscientizar sobre o efeito devastador que pode ter em suas vidas.

Abigail Martinez compartilhou pela primeira vez a história de sua filha de 16 anos cuja luta contra a identidade de gênero a levou a tirar a própria vida. Ela descreveu sua filha como uma menina que durante sua infância adorava se vestir como uma princesa. Durante a sétima e oitava série, ela começou a apresentar sinais de depressão.

Martinez conta que assim que chegou ao ensino médio, a jovem decidiu que queria ser um menino. Segundo ela, as portas se abriram para o que ela estava falando, ela teve todo o apoio que eles acham que têm para essas crianças.

A mãe revela que a conselheira escolar, o DCFS (Departamento de Serviços à Criança e à Família), o LGBT, todos estavam envolvidos no caso para “ajudar” sua filha na transição de ser transgênero. Após uma tentativa fracassada de suicídio, sua filha foi colocada em um orfanato e então começou a se chamar Andrew.

“A psicologia da escola e LGBT disseram ao DCFS que minha filha estaria melhor fora de casa. Eles levaram minha filha quando ela tinha 16 anos. Eu tentei o meu melhor para traze-la de volta, indo ao tribunal a cada mês”, conta.

Quando ela foi ao tribunal e pediu ao juiz para deixar sua filha fazer uma avaliação psicológica, a assistente social disse que ela precisava ser reconhecida como transgênero, e o juiz negou o pedido da mãe.  Ela conta que um grupo LGBT encorajou a decisão de fazer a transição de sexo dizendo que o estado pagaria por suas cirurgias.

Segundo CBN News, Martinez pediu aos tribunais que se concentrem na crise de saúde mental em vez da questão da identidade de gênero e a ajudar de dentro para fora. Em setembro de 2019, sua filha cometeu suicídio ajoelhando-se na frente de um trem.

“Quero que todos saibam a verdade porque não precisava acontecer. Eu não quero que isso aconteça com nenhuma outra família ou para passar por toda essa dor. Há muita dor”, conclui.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações