Início » Jogadores cristãos optam por não usar uniformes LGBT “Acreditamos em Jesus”

Jogadores cristãos optam por não usar uniformes LGBT “Acreditamos em Jesus”

0 comentário
A decisão foi tomada entre vários membros da equipe Tampa Bay Rays da Major League Baseball nos Estados Unidos.

Um membro da equipe da Major League Baseball Tampa Bay Rays disse que ele e vários companheiros de equipe tomaram uma “decisão baseada na fé” de não usar logotipos coloridos em seus uniformes durante um jogo na “Noite do Orgulho Gay” no último sábado.

A maioria dos jogadores dos Rays usava os designs especiais de uniformes que tinham um padrão de arco-íris acima do “TB” em seus bonés e acima de um logotipo de sol na manga direita. A equipe, que recebeu a Pride Night por várias temporadas , mas não incluiu mudanças de uniforme anteriormente, supostamente deu aos jogadores a opção de exibir os logotipos pró-LGBT ou seguir o visual usual.

Entre os Rays que se recusaram a usar os logotipos do arco-íris estavam os arremessadores Jason Adam, Jalen Beeks, Brooks Raley, Jeffrey Springs e Ryan Thompson.

“Muito disso se resume à fé, tomar decisões com base na fé”, disse Adam, 30 anos, em sua quinta temporada na liga principal. “Finalmente, todos nós dissemos que o que queríamos era que todos aqui fossem bem-vindos e amados. Mas quando colocamos em nossos corpos, vários caras decidiram que é um estilo de vida que não queremos encorajar, pois acreditamos em Jesus , que nos encorajou a viver um estilo de vida que se absteve de tal comportamento, assim como Jesus me encoraja como heterossexual. homem se abstenha de relações sexuais fora dos limites do casamento”.

“Não é um julgamento. Não estamos desprezando ninguém”, continuou Adam. “Mas, novamente, amamos esses homens e mulheres, nos preocupamos com eles e queremos que se sintam seguros e bem-vindos aqui”.

O evento no Tropicana Field em São Petersburgo, Flórida , estava programado para acontecer perto do início do Mês do Orgulho Gay.

O estado que os Rays representam ganhou as manchetes no início deste ano, quando o governador da Flórida, Ron DeSantis, assinou uma legislação que alguns chamam de lei “Não diga gay”. Os pais “devem ser protegidos das escolas que usam a instrução em sala de aula para sexualizar seus filhos a partir de 5 anos”, foi realmente o que DeSantis disse ao introduzir a lei.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações