Início » Cuba condena pastor a 8 anos de prisão por participação em protesto pacífico

Cuba condena pastor a 8 anos de prisão por participação em protesto pacífico

0 comentário

Um pastor protestante foi condenado a oito anos de prisão por participar de protestos pacíficos contra o regime comunista de Cuba, chamando a atenção para a dura repressão do governo a atividades religiosas e manifestações pacíficas. 

O pastor Lorenzo Rosales Fajardo foi detido sem julgamento por mais de dois meses após protestos em Cuba no verão passado, que seriam os maiores em décadas em meio à escassez contínua de remédios e alimentos durante a pandemia de COVID-19.

A Christian Solidarity Worldwide , com sede no Reino Unido, informou recentemente que o governo cubano notificou as Nações Unidas em março que Rosales Fajardo, pastor há 20 anos que lidera a igreja não denominacional Monte de Sion em Palma Soriano, foi condenado a oito anos de prisão por acusações incluindo “desrespeito” e “desordem pública”. 

A sentença ocorreu no final de dezembro. No entanto, a carta do governo de março em resposta a uma comunicação conjunta de cinco procedimentos especiais da ONU afirma que as “partes” não foram notificadas da sentença, segundo a CSW. 

Na carta, funcionários do governo cubano alegaram que Rosales Fajardo não pertence a uma “igreja reconhecida”. agentes da ordem” e um civil ferido. 

Vídeos e imagens do incidente, no entanto, mostraram agentes da força paramilitar Boina Negra atacando manifestantes desarmados e Rosales Fajardo sendo estrangulado, segundo a CSW.

A chefe de advocacia da CSW, Anna Lee Stangl, disse que os esforços internacionais para libertar o pastor continuam mesmo em meio ao que parece ser uma repressão muito mais ampla contra cristãos e movimentos pró-democracia e pró-reforma.

“Tivemos vários relatos de líderes cristãos sendo convocados pela segurança do Estado, interrogados e ameaçados, com alguns sendo forçados ao exílio”, disse Stangl ao The Christian Post.

Um relatório recente envolveu um casal cristão que são pastores de alto nível na região de Las Tunas. O casal foi intimado, interrogado e ameaçado por seis horas, segundo Stangl, por causa de seu envolvimento na organização de um culto de oração para presos políticos e destacando o caso de Rosales Fajardo, cuja esposa também foi ameaçada. 

“Essas táticas de intimidação grosseiras demonstram o quanto o governo cubano teme a influência dos líderes cristãos e, ironicamente, considerando a ideologia ateísta defendida pela maioria dos funcionários do Partido Comunista cubano, seu reconhecimento do poder da oração”, disse Stangl.

O governo cubano há muito escrutina os grupos religiosos da ilha – a grande maioria dos quais são cristãos – devido à sua capacidade de mobilizar grandes grupos de pessoas. Stangl acha que declarações públicas feitas no ano passado por líderes cristãos e outros grupos

religiosos condenando as ações do governo podem ter antagonizado a postura do governo em relação aos cristãos.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações